Cabeça.

Posted by on Oct 1, 2011 in Blog, eu que fiz, texto | No Comments

A cabeça é a nave-mãe do corpo. Dentro dela fica o cérebro. O cérebro é uma noz rosada e gordurosa. Dentro dele ficam as tabuadas, os professores do primário, as músicas ruins, os rancores, os planos de vingança e as receitas da família. É o único órgão que tem neurônios. Neurônios são estrelas cadentes que esbarram umas nas outras e mandam informações sinfônicas. Para que isso aconteça, os neurônios precisam estar submersos em uma substância que conduz eletricidade. A gelatina é condutora e também tem uma propriedade superlativa. Quando o pensamento passa pelas estrelas cadentes e não consegue sair da cabeça, a gelatina o absorve e libera espaço para os outros. Dentro da gelatina o pensamento geralmente morre, mas às vezes ele inicia seu processo de reprodução em pleno leito de morte, similar à mitose do DNA, clonando-se a si próprio. Como não há espaço para o pensamento dupli-tripli-quadruplicado em progressão geométrica, ele empurra e comprime os neurônios. Os demais pensamentos não têm mais fluxo e o grande pensamento toma conta de toda o diâmetro da cabeça. Quando o cérebro está comprometido com um pensamento absoluto, outros órgãos passam a apresentar deficiências. Se o pensamento absoluto for muito persistente, pode se espalhar pelo resto do corpo e promover a falência total e instantânea dos demais órgãos, levando opaciente à morte. O pensamento absoluto também pode ser chamado de problema.