Cadeiras e bebês.

Posted by on Oct 11, 2011 in Blog, dica da gica, mãe, vida | No Comments

Como toda mãe caloura, fiquei meio maluca com a quantidade de mobiliário e aparatos específicos para o bebê. Ainda grávida, lembro de ter sofrido ao ter que escolher a primeira de muitas cadeiras: a poltrona de amamentação.

Já falei nesse post aqui que abomino aquelas poltronas gigantes, brancas e cheias de babado que povoam as lojas de móveis infantis. Seguindo dicas e meu próprio faro, comprei uma Eames Rocker que, além de super confortável, é uma belíssima peça de design. O melhor de tudo foi que achei a dita-cuja por um preço incrível bem aqui. Se você não gostou da idéia, preste atenção em alguns detalhes na hora de comprar a sua. 1) Material: algumas poltronas são feitas de couro sintético, chenile ou outros revestimentos que podem esquentar demais. Isso parece meio óbvio, mas multiplique o calor por doze se você estiver amamentando – e por trinta e dois se você estiver amamentando no verão. 2) Apoio: o apoio para os braços é fundamental para deixar o bebê confortável com o mínimo de esforço da sua parte. Almofadas de amamentação podem dar uma bela ajuda no início, quando o filhote ainda é pequenino.

Nem tudo são rosas: toda a certeza que tive na hora de comprar a cadeira de amamentação sumiu quando precisei cuidar do bebê-conforto. Na dúvida, resolvi aceitar um emprestado da Mari, uma das minhas mães-amigas favoritas. Ela nos emprestou um muito, muito bom da Peg Pérego, chamado Primo Viaggio. Serviu muito bem até a Luna atingir os 10kg, o marco para a conquista de uma nova cadeira. Depois de ver várias opções – inclusive de cadeiras transformers que podem ser adaptadas para crianças de 0 a 36 quilos!, encontramos a Baby Gold SX da Safety 1St. Adorei porque ela é muito reforçada e segura, o material tem o toque extremamente agradável e o preço é bom. Pena que ela tem o problema do cintinho que enrola. Sim, eu sei que essa frase deve ter soado muito estranha pra você, mas essa história do cinto que enrola é recorrente nas conversas de 10 entre 10 mães. A própria Mari falou sobre isso nesse post dedicado às cadeiras de bebê para carro. Aliás, recomendo a leitura não só do post, mas como dos comentários também.

 

 
Quando chegou a vez do cadeirão, aquele para o bebê comer sentadinho e lindo, recorri à experiência de outra mãe-amiga, a Tininha. Como ela é mãe de gêmeos e mora em apartamento, espaço e praticidade valem ouro. Foi ela quem me apresentou aos maravilhosos boosters. Ao invés de ter uma cadeira gigante que vai contribuir para a deterioração da decoração da sua casa, que tal acoplar um negócio desses a qualquer cadeira e ser feliz? O booster é ótimo porque deixa o bebê seguro seja sobre uma cadeira ou até mesmo no chão. É mega prático e economiza um belo espaço. Compramos esse do leãozinho Fisher Price para a Luna, mas existem outros modelos com mais possibilidades de regulagens. Se você tem uma viagem para os Estados Unidos na agenda, deixe para comprar lá. São 20 dólares contra 200 reais.

 

 

 

Agora vem uma que eu nem sabia que ia precisar. A cadeira de descanso é aquela que você usa quando o carrinho anda ocupando muito o espaço da casa e seu bebê precisa de uns ares diferentes. Outra característica é que ela pode quebrar uns bons galhos fazendo as vezes de cadeirão. Como tudo no universo infantil, existem milhares de modelos que vão desde os mais simples até aqueles que simulam sons e movimentos de dentro do útero. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra, fui com essa da Fisher Price (aliás, o que não é Fisher Price nas lojas de bebês?). Ela atende bem e ainda vibra. Não vi utilidade nenhuma nessa função vibratória, vale lembrar. Repito a dica anterior: se vai viajar ou tem algum parente morando nos Estados Unidos, saiba que a importação vale a pena. Aqui são 30 dólares versus 300 reais. A outra dica é prestar muita atenção: conforme o bebê cresce, ele vai ficando mais maluco. Não posso mais deixar a Luna sozinha nessa cadeira porque ela capota.