Encontros inusitados da sacola voadora

Encontros inusitados da sacola voadora

Posted by on Feb 1, 2016 in Blog, eu que fiz, texto, vida | No Comments

Várias coisas me incomodam na atitude dos fortalindos, mas poucas me exasperam tanto quanto o jogar lixo pela janela do carro em pleno 2016. Ciente desse hábito de seu povo, a Prefeitura distribuiu lixinhos de câmbio em diversos semáforos da cidade ontem. Ao ser abordada pela mocinha uniformizada, mostrei pra ela que já tinha o ...

G3P1: gravidezes frustradas e reflexões sobre a vida.

G3P1: gravidezes frustradas e reflexões sobre a vida.

Posted by on Jan 22, 2016 in Blog, mãe, texto, vida | One Comment

Foi só dessa vez que reparei como a gente passa de pessoa a sigla muito rápido quando tem um problema de saúde. Num instante eu era a Gica, três respostas depois eu era G3P1. Tudo bem: estamos na sala do pronto-atendimento, o que quer dizer que não há tempo para “puxa vida, e como foi ...

Hera uma vez

Hera uma vez

Posted by on Jan 4, 2016 in Blog, eu que fiz, texto, vida | No Comments

Engraçadinha aquela hera. Plantada pelo vizinho para sabe-se lá o quê, as possibilidades se concentravam entre as finalistas 1) cobrir um muro besta; 2) trazer um novo tom de verde à casa; 3) realizar um sonho de infância. A questão é que ela havia chegado ao outro lado. O meu. Passiva-agressivinha essa hera. Quase dava ...

Tem um texto grudado dentro de mim.

Tem um texto grudado dentro de mim.

Posted by on Dec 7, 2015 in Blog, eu que fiz, texto, vida | No Comments

Entupindo meus canais. Acabando com a festa da minha eloquência, da minha destreza. Passando a mão na bunda da minha exuberância bem aqui, na minha cara, na minha casa. Uma bola de piche gozadora e pegajosa, indefinida. Toda vez que sento pra tirar de dentro, tento ler seus sinais, mas eles mudam. Não é (mais) ...

Superado.

Superado.

Posted by on Nov 3, 2015 in Blog, eu que fiz, texto, vida | No Comments

Eu contava os dias pra mergulhar bem no meio do seu meio e me perder no seu cheiro misturado na sua camiseta e envelhecido na jaqueta jeans de procedência duvidosa. Pra falar a verdade, tudo seu era meio assim, vindo de lugares-ocasiões-pessoas-passagens pouco ortodoxas – inclusive você. Pra falar beeem a verdade, mais obscuro que ...

Para fins de registro

Para fins de registro

Posted by on Apr 20, 2015 in Blog, eu que fiz, texto | No Comments

Quando o telefone tocar, é melhor não atender. Deixa ele lá, vibrando, mostrando a minha foto erguendo um drink meramente ilustrativo num fim de tarde em algum destino sugerido pela CVC. Não me atenda, não. Vai ser melhor assim. Prefiro ouvir a mulher que mora na sua caixa postal e desistir suspirando a falar com ...

Só de ida.

Só de ida.

Posted by on Apr 6, 2015 in Blog, eu que fiz, texto | No Comments

Não era fácil a vida dele naquela cidade, mas se formos entrar nesses méritos, é melhor parar a história por aqui. Veja: minha vida também não é fácil, mas eu tô tentando todo dia. Você também. E ele. Então era isso: ele era novo na cidade e se sentia um elefante amarelo andando por ruas ...

Sobre sebos

Sobre sebos

Posted by on Mar 13, 2015 in Blog, eu que fiz, texto | No Comments

Deve fazer mais de dez anos que eu não faço isso, mas eu tinha esse costume. Aliás, era uma das coisas que usava para me definir nessas tentativas de atrair a atenção dos outros em duas linhas autobiográficas. Essas coisas que a gente tem, principalmente quando a esperança não está muito bem calibrada, você sabe. ...

Dona Esperança

Dona Esperança

Posted by on Feb 9, 2015 in Blog, eu que fiz, texto, vida | One Comment

Vamos entrando, Dona Esperança, e tire os sapatos. Água? Café? Chá? Nada mesmo? Me pergunto como será a vida de quem recebe suas visitas diariamente. Não sei como lidaria. Não sei se eu continuaria sendo uma pessoa considerada nos meus círculos sociais porque sempre pensei que um pouco da minha desesperança e do meu pragmatismo ...

PALA V  R   A    S

PALA V R A S

Posted by on Jan 13, 2015 in Blog, eu que fiz, texto | No Comments

Emília tinha essa compulsão por desintegrar pala v r  a   s. E recombinar letras até formar novas palavras. E depois fazer tudo de novo. Gostava de se sentir uma versão feminina de Victor von Frankestein nas noites de terças e quintas: o filho e o marido saíam para jogar futebol. Quando a chamavam de terrorista ortográfica, ...