Como terminar com seu chefe.

Posted by on Jun 8, 2012 in Blog, dica da gica | 6 Comments

Muita gente se preocupa com a roupa que vai vestir e o vocabulário que vai usar em uma entrevista de emprego para causar uma excelente impressão. Fique sabendo que, se você estiver preocupado com sua reputação, não adianta nada arrebentar na entrevista e chutar o balde na demissão. Acredite: você precisa se preparar para terminar com seu chefe.

Não é fácil. Para falar a verdade, pedir demissão deve ser, no mínimo, umas catorze vezes mais difícil do que conquistar uma vaga com olhinhos brilhantes e discurso encantador. Talvez o mais complicado seja definir quem você vai ser na hora de passar a régua: o sincero, o político, o mentiroso ou o sem noção.

O sem noção é o típico cara que manda aquele e-mail de despedida dando lição de moral. Que solta coisas bizarras na lata do chefe, esquecendo-se de que o mundo é redondo e cabe no bolso de uma sardinha. Se esse cara havia feito algo de legal, sua imagem será automaticamente substituída por um chapéu de burro.

O mentiroso é um verdadeiro babaca. Primeiro por achar que ninguém vai descobrir a mentira; segundo, por querer sair por cima da situação, com o filme intacto, ainda pagando uma de herói. Existem níveis de mentira. Há o mentiroso que é um fofo, diz que se descobriu na vida e vai mudar de ramo e, misteriosamente, aparece na empresa concorrente 15 dias depois. Há aquele que dá um motivo diferente para cada pessoa, apresenta facetas amigas e acaba se mostrando um grande falsário.

O político é aquele que escolhe as palavras e usa faces da verdade com uma dose adequada de bom senso. Com jogo de cintura invejável, joga informações e sai pela tangente. Criticado por uns, admirado por outros, o político segue e pode até encontrar portas escancaradas ao voltar. Para fazer esse tipo, você precisa ser muito bom. Caso contrário vai tropeçar nos próprios pés e sua reputação vai dar com a cara no chão.

O sincero é aquele que abre o coração e dá a real. Sou adepta desse método desde sempre porque teimo em acreditar que falar a verdade é sempre o melhor caminho. Porém, nem todo mundo está preparado para uma dose de sinceridade. Coloque-se na pele do chefe. Ele contratou você. Investiu tempo e dinheiro no seu desenvolvimento. Preparou você para ser aquilo que você pediu. Pense bem: esse cara merece sua eterna gratidão só por isso. É claro, há o outro lado: você trabalhou um monte, se envolveu de verdade, mostrou resultados. É uma relação ganha-ganha, mas pense que seu chefe é responsável por você. E que quando você estiver lá enumerando as mais sinceras razões para sua saída, ele vai se sentir rejeitado. Nem que seja por um microssegundo. Se ele for um ser humano elevado, vai pesar o que você disse e, tendo ouvido bons motivos, vai apoiar você na sua decisão. Mas esses chefes são raros. Quase sempre a coisa descamba para o emocional. Hoje, todos os meus ex-chefes me consideram uma ingrata. “Pessoas como você me fazem perder a fé na humanidade”, um deles me falou. “Você está cometendo o pior erro da sua vida“, disse outro. Espero que se você optar pela sinceridade, encontre chefes iluminados no seu caminho. Caso contrário, aprenda a seguir adiante com sua integridade, sentindo o peso do ódio e incompreensão deles nas costas. Um dia passa.

6 Comments

  1. Camila
    08/06/2012

    Imagina ter que terminar com o chefe pai? impossível sem uma enorme DR que vai incluir a família toda, climão no almoço de domingo e chantagem emocional eterna. Eu nem tento. Beijoca

  2. Gica Trierweiler Yabu
    08/06/2012

    ahahahahahaha louca!

  3. Wescley
    08/06/2012

    Muto bom Gica. Excelente reflexão

  4. Joyce
    08/06/2012

    E quando sua chefe é sua unica e melhor amiga?
    Tenso pro resto da vida….

  5. Gica Trierweiler Yabu
    08/06/2012

    vá fazer novos amigos, ué!

  6. Gica Trierweiler Yabu
    08/06/2012

    :}

Leave a Reply