Desmamar é.

Posted by on Aug 29, 2011 in Blog, dica da gica, mãe, vida | No Comments

Quando minha licença-maternidade acabou, tive que fazer uma mudança de planos: como Luna não queria saber de mamadeira, a moçoila foi introduzida ao mundo dos sólidos antes do tempo. Problema? Nenhum: puro sucesso. Passei a amamentar de manhã, ao meio-dia, às 19:30 e na última, a feijoada antes de dormir. Entre as mamadas estavam as frutinhas amassadas e as papas salgadas preparadas em casa.

Tudo estava correndo muito bem quando me surgiu uma oportunidade interessante de ir a um evento ainda mais interessante. Legal? Su-per! Mas, é claro, temos um porém: o evento fica do outro lado do Oceano Atlântico. Como se trata de uma viagem de trabalho, não tem jeito de levar um bebê na mala. Solução? Desmamar.

Como a experiência anterior com mamadeiras havia sido terrível – e olha que não foi por falta de tentativa de bico, leite, temperatura e alinhamento dos astros – estava preocupada com a adaptação. Seguindo os conselhos da pediatra, começamos pela mamada do meio-dia, que foi substituída pelo almoço e a adição de uma mamadeira de NAN à 15:30. Ela amou. Pegou como se fosse superíntima da mamadeira. Ponto pra gente!

Na semana seguinte, chegou a vez de tirar a última da noite. Vale dizer que essa mamada era a mais gostosa da vida porque eu dava de mamar na minha cama, deitadinha com ela. Luna enchia a barriga e dormia na sequência um soninho pesado e gostoso que durava até o dia seguinte. Era o nosso momento, sabe? Pois, fiquei abalada, é lógico. Por mais que já estivesse meio cansada de amamentar (foram 7 meses!), tirar essa era de partir o coração. Achei que a Luna fosse ficar triste, mas na verdade ela achou o máximo. E por ela ter levado tão na boa, fiquei feliz também. Como a transição foi bem, logo substituí a mamada da manhã e – pronto – meu bebê desmamou-se.

Lógico que nem tudo foram flores: Luna sentiu falta da amamentação e, para suprir sua necessidade de sugar e acalmar os ânimos por vezes exaltados, a chupeta entrou em cena em momentos pontuais. Funcionou bem, embora o tema tenha causado bastante polêmica aqui em casa. O que importa é que agora estão todos felizes e tranquilos, prontos para os cinco dias de saudade infinita.

(até parece que eu estou preparada para passar cinco dias longe dos meus nipoamores…)