Há tanta vida lá fora.

Posted by on Jan 16, 2012 in Blog | No Comments

Algumas coisas nunca vão mudar. Por exemplo: minha mãe sempre vai falar “pra mim fazer”, eu sempre vou achar que as ombreiras foram a pior criação do homem moderno, a previsão do tempo sempre vai quase acertar. Essas coisas. Por outro lado, algumas coisas podem mudar e a gente acaba esquecendo.

De tanto acordar e viver e acordar e viver, a gente acaba marcando o que é imutável. Até que um imutável morre, quebra, some, mente, ou sei lá o quê. Aqui você pode escolher um dos dois caminhos:

1) Se desesperar e chorar e aimeudeus e agora.

2) Dar um passo pra trás e ver o filme da sua vida de outro jeito.

Passei por isso esses dias. Meu iPhone morreu. (Antes de você dizer que isso e aquilo, preste atenção: minha perda foi besta e material, mas o princípio é o mesmo.) Continuando: meu iPhone 3GS desistiu de funcionar um mês e meio antes do lançamento oficial do iPhone 4S. Para continuar na plataforma que eu mais amei no mundo, teria que comprar um iPhone que estaria obsoleto em 2 meses ou esperar 2 meses pelo novo, sem telefone. Juro que passei uma tarde inteira angustiada, pesando prós e contras, consultando amigos. Aí eu vi a luz e uma pergunta tomou conta da minha cabeça: “e se você tivesse outro smartphone?”.

Por que não? O iPhone é o máximo, mas olha o Android aí. Olha o Windows Mobile. E fui experimentar. E comprei um Android f*cking awesome. Tive que reaprender uma porção de coisas, me adaptar a outras tantas, mas amei meu smartphone novo. De verdade. E percebi que tem milhões de pessoas sendo felizes com seus andróides, criando para andróides. Milhões, gente. E eu achando que só havia vida com uma maçã na mão.

Essa simples mudança de plataforma me fez reavaliar uma porção de coisas. Me fez isolar vários elementos da minha vida, olhar para eles e perguntar: “e se não fosse assim?”. Vi um futuro diferente daquele que já estava guardado no armário, esperando para acontecer. Ainda bem.

De certa forma, foi isso que o Steve Jobs fez ao criar o iPhone (e todo o resto que veio antes e depois). Deu dois passos para trás e pensou: e esse teclado? Então tudo mudou e aconteceu tudo o que aconteceu até eu comprar um iPhone, me apaixonar por ele, declarar amor em praça pública, sofrer com a perda, comprar um Android, me apaixonar por ele e escrever esse post.