instantâneas

Posted by on Jun 18, 2014 in Blog, eu que fiz, texto, vida | No Comments

A gente falou sobre Nina Simone e sobre o quão boa Feeling Good é e paramos por aí porque nenhum dos dois quis dizer em voz alta que o cover do Muse é quase tão bom ou – na verdade – melhor que a original, algo que jamais poderia ser verbalizado sem o acordo de intimidade que ainda não havia se estabelecido. Você falou sobre meia dúzia de cantores cujo nome eu só havia escutado em conversas de gente muito mais velha, mas achei bonito ouvir tudo isso embalado na sua voz. Quando vieram oferecer mais cerveja, a gente nem fez que não: pode servir, moço, que a noite pode não ir muito longe, mas está boa assim nesse tempero etílico. Acho que perguntei sobre as suas tatuagens, acho que você perguntou sobre as minhas e acho que nessa altura do vai e vém das palavras essa era só uma desculpa socialmente aceita pra gente se tocar publicamente sem levantar suspeitas. Claro.

Leave a Reply