Quando faltar poesia, quebre o vidro.

Posted by on Sep 25, 2011 in Blog, texto, vida | No Comments

Porque às vezes essas coisas acontecem. Isso de uma criança morrer depois de meses lutando contra uma doença. Isso de um cachorro fugir e nunca mais voltar, de o amor sair e voar para longe e nunca-mais-ligar-e-nunca-nunca-nunca, de você perder os ingredientes da sua vida, uma tia ou a avó na hora errada.

Então dizem que acontece. E, como acontece assim, a esmo, você não tem muito o que fazer. Não tem a quem reclamar. Se você for religioso, talvez possa reclamar com a divindade suprema, mas os religiosos temem seus deuses e ficam nisso de tentar entender. De encontrar um motivo. Tudo porque se recusam a acreditar que a vida lhes cuspiu um caroço. Um trecho de filme sem poesia, que deveria ter sido cortado porque só estraga e não agrega, mas o editor não viu.

Você é vítima de um desses retalhos de horror que a vida produz. E, para completar, o problema é seu. Você vai lutar – ou não, vai chorar – ou não, vai ser forte – ou não, vai desistir – ou não, vai tentar de novo – ou não. O único que tem qualquer coisa a perder aqui é você, por isso é prudente tentar perder o mínimo.

Ninguém nunca vai entender, nem você. Não faz sentido e a dor é tão grande que os conceitos de justiça, piedade, tristeza, impotência e solidão se misturam num caldo grosso e corrosivo. E é isso que você toma no café-almoço-jantar. Aí dizem que passa, que quando casar, passa, que o tempo, que a vida, que isso e aquilo. O tempo é que passa e leva consigo a única coisa que sobrou pra você: sua vida.

Não é justo, não precisava, poderia ter sido diferente se. Mas não foi. Você merecia passar por isso? Quase certo que não. Então por quê? Todos os dias, por quê? Esse é seu beco sem saída. Mas há uma alternativa. Uma outra pergunta.

O que você fez com o que a vida fez com você?

*

ps. do fundo do meu coração, dedicado àqueles que perderam demais.