Trilha para apagar a luz e sair.

Posted by on Sep 3, 2009 in Blog, trilha para | No Comments

Amor, o pó de café acabou. Fiz o suco de laranja sem gelo e sem açúcar porque é melhor assim. Não tinha pão, mas eu busquei na padaria da Clodomiro e trouxe. Quando eu passei a margarina ele ainda estava quentinho. Esquentei leite e preparei um chocolate também, se bem que agora deve estar frio, assim como o pão.

As minhas coisas já estão dentro do carro e eu acho que não esqueci nada, apesar de ter certeza de que você vai me ligar pra eu voltar e buscar uma coisa ou outra. Talvez eu não volte. Vai depender do que ficou. Mas isso a gente vê depois.

Eu sei que é meio chato sair assim, sem uma despedida de verdade. Você vai me chamar de covarde, eu sei, e até acho que sua mãe vai me ligar. Não tem problema. Eu continuo achando que é melhor assim. Que despedida física numa hora dessas nunca ajuda.

Você deve estar com a sobrancelha direita apontada pra cima, falando pra si que uma despedida física era o mínino que a gente poderia ter e que seria até melhor pra gente superar o fim. É que eu acho que o nosso fim já foi e a gente nem percebeu. Ele dormiu debaixo do nosso cobertor e tomou café com a gente todos os dias. Ele estava lá comigo, me matando bem quietinho feito um cigarro amigável, enquanto você se bastava em algum lugar.

Mas eu não quero brigar, amor. Vou guardar o que eu preciso pra continuar a minha vida. O que faz mal eu deixo na rua: se alguém quiser pode levar. Já não está fácil, então eu quero fazer o máximo deixar o coração em paz.

Em cima da geladeira está a minha parte do aluguel e do resto das contas. A chave da porta é a única que eu tenho: vai ficar dentro do terceiro vasinho. Dá um beijo no Cortiça quando ele acordar. E se cuida. E não esquece de comprar pó de café.

Eu te amo. Pena que não deu.

Desculpa.

**Enviado para os singles da Mojo Books**

Unfold – Julie Peel

Leave a Reply